Ampliação da visão missionária foi tema presente no sábado à noite

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
missoes-2018-ad-perus-sabado-noite

Perante o comparecimento das regionais Cajamar, Campo Limpo Paulista, Capivari, Monte Mor, Parada de Taipas, Porto Feliz, Ribeirão Preto, Santa Gertrudes, São Carlos, Santa Maria, Santo Amaro e vila dos Remédios, foi oferecido ao Senhor um grande culto na noite de sábado, 8, ampliando as celebrações pelos 71 anos desde a fundação da AD Perus, 43 decorridos desde a inauguração da Matriz e por conta do Congresso Nacional de Missões.

O tema oficial dos trabalhos foi “Grandes coisas fez o Senhor, por isso estamos alegres” combinado com a divisa missionária “Chamados para semear”. O pastor José Antonio de Farias Filho, membro da diretoria do CONAMPE, foi o introdutor da noite. Junto dos presentes, recebeu o casal presidencial, formado pelo pastor doutor Elias Cardoso e esposa, a missionária Lígia Cristina Marins Cardoso.

Regionais se alternaram louvando com alegria. Da mesma forma participativa notadas junto às representações do CAMP e da UMADEMP. Paralelamente, cantores se alternaram, atendendo chamados para que adorassem ao Senhor ocupando espaços abertos perante a concorrida programação.

Também membro do CONAMPE, o pastor Flávio Pena, compartilhou informações missionárias decorrentes das contribuições, orações e envios de gente chamada para servir na qualidade de missionários (as), no Brasil e fora dele. “Alcançamos 25 países distribuídos pela América do Sul, África e Europa, além de 20 dos 27 estados no Brasil. Desafios grandes, mas as providências divinas têm sido maiores, sempre garantindo o êxito do trabalho”, destacou.

Por sua vez, o pastor presidente testemunhou o bom trabalho executado por outros departamentos, sempre oferecendo novidades à igreja, à obra e se preocupando na formação estruturada da igreja que se alterna em decorrência das faixas etárias.

MENSAGEM

Após ler o texto encontrado em Mateus 13: 1-23, uma linha de raciocínio foi pinçada junto à parábola: “Mas o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro, sessenta e outro trinta”. E ali se iniciava a pregação da memorável noite.

Inspirado e questionando sob autoridade divina, perguntou qual semente que está viva em nós? E de pronto se colocou em responder que “é por isso que o crente vive a palavra, por isso que o coração dele é puro. Você incentiva e ele vai e semeia. Não somos do ‘agora’, do hoje, do de repente. No plano espiritual, plantamos e a demora para colher se processa exatamente no tempo de Deus”, ensinou.

Autoridade visível foi destinada ao preletor que apontou a existência de muitos que acabam por se enganar em meio às coisas do reino.

“Muitos brincam, não compreendem que a semente a ser plantada não é processada como um gesto pertinente à germinação visível na terra e sim no céu. Antes de você tomar uma atitude errada, murmurar, é necessário orar para que a consciência espiritual seja aclarada e se enxergue de forma diferente”, ensinou Fernando Sartini, líder regional no bairro paulistano Jaraguá, São Paulo.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Artigo relacionado